domingo, 26 de novembro de 2017

Como era a Líbia de Gaddafi, antes de ser destruída pela coligação ocidental chefiada pelos EUA, e que hoje vende seu povo como escravo




Transcrição do vídeo:

Segundo as Nações Unidas, migrantes africanos que passam pela Líbia estão a ser vendidos como escravos por traficantes ou por milícias. A agência de migração da ONU ouviu relatos de migrantes da África Ocidental que disseram que foram comprados e vendidos em garagens e em parques de estacionamento na cidade de Sabha, um dos principais centros de tráfico humano Líbia.

O chefe da missão da Organização Internacional para as Migrações na Líbia disse, em Genebra, que os migrantes eram geralmente negociados e depois mantidos em cativeiro durante dois ou três meses:

“Se for ao mercado, com uma quantia entre 200 e 500 dólares é possível comprar um migrante para fazer trabalho escravo. Depois de compra, a pessoa é entregue e fica à responsabilidade do comprador. Muitos conseguem fugir, outros são mantidos em cativeiro e vários outros são presos, mesmo numa zona onde são obrigados a trabalhar diariamente.”

Há também relatos de mulheres que foram compradas e obrigadas a trabalhar como escravas sexuais. A agência da ONU ajuda algumas das vítimas a regressar a casa. [Fonte: Euronews]

A Líbia foi esmagada e até hoje está sendo destruída pela coligação ocidental comandada pelos Estados Unidos, para derrubar o "ditador, genocida Gaddafi".

Leia a seguir, com tradução do professor Nilson Laje, como era a vida na Líbia com Gaddafi, um artigo publicado em 2011 na revista Suiça Schweiz Magazin, onde você pode conferir o original, em alemão.


“Agora se sabe , item por item, tudo que o tirano Gaddafi fez com seu povo. Eis uma lista de atrocidades a que os líbios foram submetidos por quatro décadas:.
 

1. Não havia conta de luz na Líbia. A eletricidade era grátis para todos os cidadãos.
2. Não havia juros sobre empréstimos. Os bancos oficiais ofereciam subsídios iguais para todos. Era lei.
3. Ter uma casa era considerado direito humano.
4. Todos os recém-casados na Líbia recebiam US$ 50 mil, o bastante para aa compra de seu primeiro apartamento. Era o presente do governo às novas famílias.
5. Educação e tratamentos médicos eram grátis na Líbia. Antes de Gaddafi chegar ao poder 25 por cento dos líbios eram alfabetizados. Hoje o número é de 83 por cento.
6. Terras aráveis, uma casa rural, ferramentas, sementes e gado livre eram oferecidos a quem quisesse ser agricultor.
7. Se um líbio não encontrasse escolas ou instalações médicas de que necessitasse poderia buscá-las no estrangeiro com a ajuda de fundos do Estado, que oferecia, para isso US $ 2.300 por mês destinados a alojamento e transporte.
8. Se um líbio comprasse um carro, o governo subsidiava metade do valor.
9. A gasolina custava 12 centavos de dólar (cerca de R$0,40) o litro.
10. Se um líbio terminasse a graduação universitária e não achasse colocação, o estado pagava o salário médio de sua profissão em que ele encontrasse emprego tecnicamente adequado.
11. A Líbia não tinha dívida externa e as reservas, que totalizavam US$ 150 bi, foram divididas pelas potências de ocupação entre si.
12. Uma parcela da venda de petróleo da Líbia era creditada diretamente nas contas de todos os cidadãos da Líbia.
13 Mães que davam à luz uma criança ganhavam US $ 5.000.
14. Um quarto dos líbios têm um diploma universitário.
15. O Grande Rio Artificial para abastecimento das lavouras e cidades líbias é o maior projeto de encanamento da água potável do mundo.
Graças a Deus a Otan e os rebeldes devolveram a liberdade ao povo líbio.”

Dica para esta postagem: Blog Luiz Müller.

Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

2 comentários:

  1. A mídia esconde tanta coisa! A esquerda precisa MUITO de canais de comunicação com a população.

    ResponderExcluir
  2. Lembro-me que das primeiras medidas tomadas foi o desmonte do que seria o Banco Central da Líbia. Muitos Christian Andersen gritam "é a canalha bancária, é a canalha bancária" mas a mídia cúmplice abafa esses gritos libertadores.

    ResponderExcluir

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado