terça-feira, 21 de novembro de 2017

Declínio do império. 6 indicadores em que os Estados Unidos estão piores até do que países em desenvolvimento

Imagem de uma jovem homeless nos EUA

Se você acha que o maior problema dos Estados Unidos é o Trump, errou. Se acha que é o gordinho presidente da Coreia do Norte, também.

O problema dos EUA é seu declínio, o declínio natural de todo império, após seu apogeu. Aconteceu com o Egito, com a Itália, com a Inglaterra e agora chegou a vez deles.

A crise atingiu em cheio o país e em alguns lugares o número de famintos, homeless, pedintes, fodidos de todos os tipos, drogados vagando a esmo, é igual ao de qualquer país subdesenvolvido.

Em seis itens importantíssimos, o declínio do império pode ser medido em números:

  1. Expectativa de vida
  2. Mortalidade Infantil
  3. Mortalidade materna
  4. Taxa de homicídios
  5. Gravidez na adolescência
  6. Educação


1. Expectativa de Vida


Os EUA estão em 40º lugar, atrás de nações ditas desenvolvidas, mas também atrás de Chile, Costa Rica e Cuba.

2. Mortalidade Infantil


De acordo com o relatório mais recente do PNUD, que utiliza dados de 2015, nos Estados Unidos esse valor é de 5,6. Isso o coloca no 44º lugar do mundo, novamente superado pelos países ricos como um todo, bem como por Cuba (de novo!), Bósnia Herzegovina e Croácia.

3. Mortalidade materna


Desde o início deste século, os Estados Unidos registaram um aumento nos índices de mortalidade materna, cuja taxa passou de 17,5 mortes por 1.000 nascimentos em 2000 para 26,5 em 2015, de acordo com pesquisas publicadas. pela revista The Lancet em janeiro de 2017.

É um fenômeno que vai contra as tendências no resto do mundo industrializado, onde houve um declínio no mesmo período.

Além disso, o número registrado nos Estados Unidos é superior ao da Costa Rica (24.3), da China (17.7), do Vietnã (15.6) ou do Líbano (15.3).

Neste caso, há também uma clara divergência nos Estados Unidos, porque a mortalidade materna entre mulheres brancas é 13, mas entre as mulheres afro-americanas é 44.

4. Taxa de Homicídios


Este número contrasta com os países europeus, como a Áustria (0,51) ou a Holanda (0,61), mas também com o Canadá (1,68) e até a Albânia (2,28), Bangladesh (2,51) e Chile (3.59, de acordo com os dados de 2014, o mais recente).

5. Gravidez na adolescência


Segundo dados do Banco Mundial para 2015, os EUA registram uma taxa de 21 nascimentos desse tipo para cada 1.000 mulheres entre 15 e 19 anos de idade, o que coloca esse país no 68º lugar do mundo, ao mesmo nível que Djibouti e Aruba, e bem acima da média em países de alta renda que é de 13 nascimentos por mil.

6. Educação


De acordo com um estudo realizado no âmbito do Programa Internacional de Avaliação de Competências (PIAAC, ena sigla em inglês), entre os países membros da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), EUA teve uma performance que, no melhor dos casos, foi medíocre.

A pesquisa mediu três níveis educacionais diferentes em termos de capacidade de leitura e capacidade numérica: pessoas que não completaram o ensino médio, indivíduos com educação secundária e outros com pelo menos dois anos de ensino universitário.

23 países participaram da análise: Austrália, Áustria, Canadá, República Checa, Dinamarca, Estônia, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Itália, Japão, Países Baixos, Noruega, Polônia, Coréia do Sul, Eslováquia, Espanha, Suécia, EE. .U., Bélgica e Reino Unido.

No teste sobre capacidade de leitura, entre aqueles que não haviam terminado o ensino médio, os americanos estavam entre os cinco países com os piores resultados; enquanto que entre aqueles que completaram esses estudos estavam abaixo da média de todos.

No caso de pessoas que tinham pelo menos dois anos de estudos universitários, os americanos estavam acima de oito países, empatados com outros seis, mas foram ultrapassados ​​por sete nações.

Além disso, os Estados Unidos foram o país que registrou a maior diferença entre os resultados obtidos por aqueles que não terminaram o ensino médio e aqueles que têm pelo menos dois anos de cursos universitários.

Na avaliação das habilidades numéricas, os americanos estavam consistentemente abaixo da média da OCDE nos três níveis educacionais estudados. Além disso, o país foi o último tanto entre os que não terminaram o ensino médio como entre aqueles que acabaram.

Para aqueles que completaram pelo menos dois anos de ensino superior, EUA superou a Espanha e a Itália e igualou outros cinco países, ficando para trás de 15 outras nações.

[Fonte: BBC, onde você pode consultar mais dados e gráficos, em espanhol]


Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado