segunda-feira, 17 de outubro de 2016

Moreira Franco diz que não pediu contribuição eleitoral à Odebrecht. Delator concorda: 'Foi propina'

Charge do Aroeira
Em sua delação premiada (essa jabuticaba brasileira que permite ao sujeito roubar à vontade e, se vier a ser descoberto, sair entregando todo mundo para se livrar da cadeia e ficar em casa curtindo a praia com o dinheiro que conseguiu esconder da polícia), Cláudio Melo Filho, ex-vice-presidente de Relações Institucionais da Odebrecht, disse que pagou propina de R$ 3 milhões a Wellington Moreira Franco, em 2014, quando era ministro da Aviação Civil da Dilma.

Segundo o vazamento, Melo Filho teria sido enfático: "Não foi contribuição eleitoral, foi propina".

  Braço direito de Temer, Moreira foi Franco e emitiu nota concordando com Mello Filho: não houve pedido de contribuição eleitoral.

Culpado ou não, Moreira Franco deveria ter sido banido da vida pública em 1986, quando cometeu o maior crime eleitoral do Brasil — venceu as eleições para governador do estado do Rio derrotando ninguém menos do que Darcy Ribeiro.

Já imaginaram Darcy Ribeiro governador? O Rio e o Brasil mereciam isso, mas Moreira impediu.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado