quinta-feira, 18 de maio de 2017

Denúncia da JBS mostra por que Moro protegia Temer das perguntas de Eduardo Cunha



A denúncia do dono da JBS/Friboi, com áudio autorizado pela Justiça, de que Temer incentivou a continuidade do pagamento de uma propina-mesada de R$ 500 mil ao ex-deputado Eduardo Cunha deixa mal o juiz Sergio Moro, porque revela o que Moro não deixou que o Brasil soubesse há mais de seis meses: a corrupção de Temer em conluio com Eduardo Cunha, que Cunha é Temer e Temer é Cunha.

Em novembro passado, Cunha fez uma série de perguntas, que deveriam ser respondidas por Temer, em seu processo de defesa. O juiz Moro censurou várias delas, com a seguinte explicação [grifo meu]:

“(As perguntas) tinham, em cognição sumária, por motivo óbvio constranger o Exmo. Sr. Presidente da República e provavelmente buscavam com isso provocar alguma espécie intervenção indevida da parte dele em favor do preso”, afirmou Moro, na decisão.
“Não se pode permitir que o processo judicial seja utilizado para essa finalidade, ou seja, para que parte transmita ameaças, recados ou chantagens a autoridades ou a testemunhas”, disse o magistrado.

Ora, ameaças, recados ou chantagens só metem medo em quem tem rabo preso. Ao proteger Temer, Moro já sabia do envolvimento do presidente em corrupção e o protegeu? Ou não sabia de nada do que acontecia diante de seu nariz, preocupado em conseguir provas contra Lula, enquanto Temer e sua quadrilha saqueavam o pais?

Falta explicar.


Apoie a mídia alternativa. Considere assinar o Blog do Mello agora


Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado