quinta-feira, 2 de novembro de 2017

Médicos e laboratórios se unem para aumentar seus ganhos, em prejuízo da saúde da população


Parceria multimilionária entre laboratórios farmacêuticos e médicos inescrupulosos aumenta seus lucros e ganhos em prejuízo da saúde da população.

Novas doenças são "identificadas" (ou criadas?) e até possíveis futuros problemas estatísticos são medicamentados hoje para "prevenir" seu possível surgimento. Tudo isso bem longe da ética, com o pensamento único e exclusivo no lucro.

- Bom, mas isso é o capitalismo, estúpido!...

No final da década de 1970, Henry Gadsden, CEO de uma grande empresa farmacêutica, disse a uma revista de negócios que a indústria tinha um problema: ao medicar e curar doenças estavam limitando sua base de clientes.

Precisavam reinventar o conceito de doença, para que pudessem tratar não só os doentes, mas também aqueles que estavam bem, e conseguir fazer com que tomar drogas fosse algo tão corriqueiro quanto mascar chiclete, medicando (com remédios produzidos pelos laboratórios) a vida moderna.

Com isso, viver passou a ser uma enfermidade que necessita ser tratada por meio de vitaminas, estimulantes, ansiolíticos, drogas para dormir, para acordar, para sentir prazer, para se alienar e repousar... até o descanso eterno.

Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Em 1980, em uma reunião da American Psychiatric Association (APA), um psiquiatra apresentou um novo manual que causou uma grande mudança na forma como a doença mental deveria ser definida e diagnosticada.

Foi a terceira edição do Manual de Diagnóstico e Estatística de Transtornos Mentais (DSM-III) da APA, escrita pelo psiquiatra Robert Spitzer e sua equipe.

Seu objetivo era classificar cada condição mental, incluindo novos distúrbios identificados.

O DSM-III introduziu 265 categorias de diagnóstico e transformou a teoria e a prática da saúde mental.

A psiquiatria mudou para sempre.

A gama de novas doenças que o DSM-III ofereceu e a abordagem para diagnosticá-las usando uma lista de verificação permitiram que empresas farmacêuticas criassem nichos para o desenvolvimento de toda uma série de novos medicamentos, que foram então comercializados tenazmente.

O psiquiatra francês Allen Frances ilustra o que aconteceu com o exemplo de uma das drogas legais mais conhecidas.

"O DSM-III foi publicado em 1980. Em 1987, o Prozac apareceu, embora fosse um medicamento que já existisse há 15 anos, e esse objeto inútil de repente tornou-se um dos maiores sucessos de vendas na história da indústria farmacêutica", diz ele.

"Como eles fizeram isso?" Através de um marketing extremamente inteligente e agressivo, que utilizou o DSM-III como forma de fomentar doenças, vendendo a doença para vender a pílula.

"Se você pode levar o público a pensar que os desconfortos e as dores de suas vidas são facilmente resolvidos com uma pílula, então você terá um fenômeno de marketing que gerará dezenas de milhões de dólares por ano".

A parceria com os médicos


Para lançar um novo medicamento antidepressivo, o laboratório Pfizer desenvolveu uma ferramenta para que os médicos diagnosticassem a depressão com mais facilidade.

Kurt Kroenke, professor de Medicina da Universidade de Indiana, EUA, ajudou-os.

"Desenvolvemos a primeira versão, chamada PRIME-MD, mas o que realmente teve sucesso foi a parte da depressão chamada PHQ-9, porque tem nove perguntas que chamamos de critérios ou sintomas de depressão grave ", diz Korenke à BBC.

"Pacientes e médicos estão acostumados a ver pressão sanguínea ou açúcar no sangue em números, então criamos uma pontuação de 0 a 27 e [a ferramenta] tornou-se muito popular". [continue lendo na BBC, em espanhol]
O laboratório faz o trabalho de exame pelo médico, que só tem que adequar o paciente à ferramente e prescrever o medicamento. Moleza...


 A importância dos Leitores  

No mundo inteiro, a comunicação alternativa e os sites de esquerda estão sob ataque dos governos e da mídia corporativa. Para enfrentar esse cerco é fundamental a participação ativa dos leitores:
  • compartilhando as postagens nas redes sociais
  • fazendo uma assinatura
Participe. Compartilhe os textos em suas redes. E faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil. Todos os cartões são aceitos e você pode cancelar a assinatura a qualquer momento. Apenas R$10. Assine

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado