segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Tacla Durán e a contagem regressiva para o fim da Lava Jato. Faltam dez dias. Dez, nove, oito...

Imagem do ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Durán

O esperado depoimento bombástico do ex-advogado da Odebrecht Rodrigo Tacla Durán à CPMI do Congresso será no dia 30 de novembro, por videoconferência. Ele ficou de apresentar aos congressistas documentos que comprovariam malfeitos da turma da Lava Jato, que poderiam derrubar a Operação.

Segundo entrevista de Tacla Durán aos deputados Paulo Pimenta e Wadih Damous na Espanha, a Lava Jato omitiu três das quatro contas que recebiam pagamento do casal João Santana e Mônica Moura. O casal recebeu benefício de delação premiada e o advogado deles é irmão de um dos procuradores da Lava Jato.

Tacla Durán deve confirmar também que o padrinho de casamento do juiz Moro lhe ofereceu facilidades na Lava Jato em troca de R$ 5 milhões em caixa 2. E que a mulher de Moro também recebeu dinheiro dele no escritório de advocacia.

Depois da Petrobras, da Odebrecht, da JBS, a Lava Jato chega a Curitiba.



Tacla Durán prestou serviços para a Odebrecht entre 2011 e 2016. Sua atuação se concentrava no Departamento de Operações Estruturadas, o setor da Odebrecht que fazia pagamentos que a empresa não queria vincular à  contabilidade oficial — o que inclui propina. Sua intimidade com o Departamento de Operações Estruturadas era tanta que o apartamento em que o diretor Hilberto Silva morava pertencia a Tacla Durán. O advogado recebia cerca de R$ 10 mil, pagos pela Odebrecht, conforme consta de sua declaração de imposto de renda.
Tacla Durán disse que recebeu da Odebrecht a tarefa de analisar as planilhas com pagamentos a João Santana e Mônica Moura, e descobriu que havia quatro contas vinculadas a eles. O objetivo da empresa, segundo o advogado, era descobrir algo nas movimentações bancárias de João Santana que pudesse comprometer Dilma Rousseff. Mas ele só conseguiu chegar até certo ponto.
"Quando eu não consegui localizar o beneficiário final das contas e relatei isso ao Hilberto, ele ficou muito chateado, porque, aí sim, ele me colocou que era o pagamento ao João Santana, que era muito importante a gente conseguir isso, porque a ideia da Odebrecht era pressionar a presidente Dilma, através dessa informação, a paralisar as investigações ou coisas nesse sentido”, afirmou o advogado. [leia reportagem completa no GGN]


Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado