quarta-feira, 30 de janeiro de 2019

Mais provas de que eleição de Bolsonaro foi fraudada

Manchete da Folha com fraude do WhatsApp

Ainda em outubro, pouco após as eleições, publiquei aqui no blog: Não foi o antipetismo que derrotou Haddad. Foi a fraude em favor de Bolsonaro no WhatsApp. Aqui a prova.

Agora, o cientista político Marcos Coimbra, do Vox Populi, mostra com mais dados o tamanho da fraude, como ela foi feita, em detalhes.

Coimbra cita a proibição ilegal da candidatura de Lula e a manifestação do comandante do Exército de que não aceitaria uma decisão do STF favorável ao ex-presidente como dois fatores iniciais da ilegitimidade da eleição de Bolsonaro, já que o principal nome das pesquisas disparado foi proibido de concorrer.

Depois ele parte para sua especialidade, dados de pesquisa e análise.

Gráfico das pesquisas dos principais institutos sobre eleição presidencial 2018

O conjunto das pesquisas mostra que houve apenas dois momentos de mudanças intensas no processo de tomada de decisões de voto: nas seis primeiras semanas, (isto é, até o início da última), Bolsonaro foi de 20% para 28%, o que deixava incerto que terminasse na frente o primeiro turno; enquanto isso, Haddad, nas duas semanas entre os dias 9 e 23 de setembro, foi de 6% para 20%. Assim, na entrada da semana final, tínhamos Bolsonaro parado e Haddad ainda crescendo, estando a distância entre os dois, na média de 14 pesquisas, em 4 p.p., ou seja, dentro da margem de erro da maioria delas. 
O crescimento de Bolsonaro na última semana precisa ser explicado, pois o de Haddad, depois de indicado por Lula, é de fácil compreensão. Dizer que foi a “facada”(por mais misteriosa que seja) não serve, haja vista a quase estabilidade do capitão nos dias seguintes. Afirmar que foi o “antipetismo” que o impulsionou tampouco serve: quase a totalidade do eleitorado já possuía há tempo a informação de que Haddad era o candidato do PT e de Lula e não foi isso que alterou drasticamente as intenções de voto nos sete dias finais.   
Nas pesquisas de tracking realizadas pelo Vox Populi, é possível ver como e onde aconteceu esse crescimento de Bolsonaro, que o levou à vantagem no primeiro turno e à vitória no segundo.
Os números mostram que não foi no Nordeste (onde, nos quinze dias finais, a distância entre os dois permaneceu estável), não ocorreu no eleitorado masculino (em que a vantagem de Bolsonaro cresceu moderadamente), não existiu entre pessoas de renda baixa e no eleitorado católico (entre os quais Haddad sempre liderou). No entanto, entre mulheres, especialmente no Sudeste e de renda média e média baixa, Bolsonaro cresceu muito, pela influência, nesse grupo, da religião.
O que aconteceu no público evangélico pode ser visto no Gráfico 2, a seguir:

Gráfico pesquisas eleições presidenciais 2018

O Gráfico 2 mostra como Bolsonaro abriu distância em relação a Haddad: quase triplicou a vantagem que sempre possuiu no eleitorado evangélico. Os dez pontos de frente que tinha no dia 26 de setembro tornaram-se trinta no levantamento concluído em 5 de outubro. Como os evangélicos são cerca de 30% do eleitorado, trinta pontos de vantagem no segmento representam 10% do total.
O que mudou a eleição e permitiu que Bolsonaro entrasse no segundo turno quase eleito não foi o antipetismo, a lava-jato, as prestidigitações de Moro, a intervenção dos generais, a partidarização do Judiciário, o governo Dilma, a prisão de Lula, o horror ao PT da TV Globo. Foi uma mudança abrupta e intensa no eleitorado evangélico, especialmente do Sudeste (e do Sul), especialmente de baixa classe média, especialmente feminino.
Um raro bom jornalismo oferecido pela grande imprensa brasileira revelou como isso foi feito: através do impulsionamento de informações falsas e mentiras contra Haddad, disseminadas pelo WhatsApp. Muito provavelmente, usando bancos de números telefônicos fornecidos pelos bispos-empresários neopentescostais  alinhados com Bolsonaro. Sabemos em parte como isso funcionou, quem fez o trabalho sujo, quanto custou e quem pagou.
O mito da eleição está em fingir que ela foi “normal” e que Bolsonaro venceu legitimamente. Ter mais votos que o adversário não significa, no entanto, vencer com legitimidade, como vemos a toda hora em eleições manipuladas mundo afora.  

À medida em que mais informações e novas confissões vão vindo à tona, esse mito perde substância e diminui a proporção dos que o subscrevem. Hoje, excluindo Bolsonaro e seus áulicos, talvez somente Ciro Gomes ainda acredita na legitimidade dos resultados, sabe-se lá o porquê. [fonte: 247]
Além desses fatores (mais do que suficientes para anular as eleições) soma-se outro: a não divulgação pelo Coaf da movimentação financeira de Queiroz e Flávio Bolsonaro, dados que tinham à mão mas só trouxeram a público após as eleições.

O povo votaria no "Mito" sabendo que a mulher dele levou R$ 24 mil de Queiroz, que este movimentou mais de R$ 1,2 milhão sem renda pra isso, e que Flávio Bolsonaro depositou 48 envelopes com R$ 2 mil em suas contas?




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Um comentário:

  1. Não vai dar em nada. Se fosse a favor do Haddad a eleição já estaria anulada. Simples assim.
    Ah, e só p'ra lembrar (não é p'ra desanimar não), "ele" se reelege brincando daqui a quatro anos.

    ResponderExcluir

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado