terça-feira, 26 de maio de 2020

'O Brasil está pagando caro pelas palhaçadas de seu presidente ', Financial Times



Um dos principais, se não o principal, jornal econômico liberal do mundo, o Financial Times publicou artigo de Gideon Rachman com críticas pesadas (mas não muito diferentes das feitas por aqui) contra o presidente Jair Bolsonaro.

A Folha republicou o artigo hoje, com tradução de Paulo Migliacci, que publico a seguir.

No entanto, embora tenha destacado a frase no título da postagem, não concordo que Bolsonaro faça palhaçadas. O palhaço tem uma função de divertir, alegrar, dar prazer. Bolsonaro é o oposto disso. É um genocida que quer impor sua ideologia goela abaixo do Brasil, não importa quantos venham a morrer para isso. Por isso, a cada dia que se permite que ele fique no poder é um dia perdido para a morte do Brasil e dos brasileiros.

A seguir, o artigo de Rachman:
O populismo de Jair Bolsonaro está levando o Brasil ao desastre
Em uma visita ao Brasil no ano passado, conversei com uma financista importante sobre os paralelos entre Donald Trump e Jair Bolsonaro.
“Eles são muito parecidos”, ela disse, antes de acrescentar: “Mas Bolsonaro é muito mais estúpido”. A resposta me chocou, porque o presidente dos Estados Unidos não costuma ser visto como exemplo de um grande intelecto. Mas minha amiga financista insistiu: “Veja”, ela disse. “Trump dirigiu um negócio importante. Bolsonaro jamais passou do posto de capitão no exército”.
A pandemia do coronavírus me fez recordar essa observação. O presidente do Brasil adotou uma abordagem notavelmente semelhante à de Trump —mas ainda mais irresponsável e perigosa. Os dois líderes estão obcecados com as supostas propriedades curativas da hidroxicloroquina, uma medicação contra a malária. Mas enquanto Trump se limita a usar o medicamento em pessoa, Bolsonaro forçou o Ministério da Saúde brasileiro a divulgar novas diretrizes, recomendando o medicamento para pacientes do coronavírus. O presidente dos Estados Unidos teve atritos com seus assessores de saúde. Mas Bolsonaro demitiu um ministro da saúde e levou seu sucessor a renunciar. Trump expressou simpatia pelas manifestações contra o confinamento. Bolsonaro discursou em pessoa durante eventos desse tipo.
Infelizmente, o Brasil está pagando caro pelas palhaçadas de seu presidente – e as coisas estão piorando rápido. O coronavírus chegou relativamente tarde ao Brasil. Mas o país já tem o segundo mais alto índice de contágio no planeta, e o sexto maior total de mortes por Covid-19. O número de mortes no Brasil, que abriga metade da população da América Latina, está dobrando a cada duas semanas, agora, ante dobrando a cada dois meses no Reino Unido, um país pesadamente atingido.
A composição política e social do Brasil significa que o país será severamente atingido, com a aceleração da pandemia. O sistema hospitalar de São Paulo, a maior cidade do país, já está perto do colapso. Porque boa parte da população brasileira vive em condições de superlotação, e desprovida de economias, o desemprego em massa pode resultar em fome e desespero. nos próximos meses.
Mas será justo culpar Bolsonaro? O presidente, que assumiu em janeiro de 2019, obviamente não é responsável pelo vírus – nem pela pobreza e pela superlotação que tornam a Covid-19 tamanha ameaça ao país. Ele tampouco foi capaz de impedir que muitos governadores e prefeitos impusessem medidas de confinamento em suas áreas do país. Mas ao encorajar seus seguidores a violar essas restrições e ao solapar seus ministros, Bolsonaro é responsável pela resposta caótica que permitiu que a pandemia escapasse ao controle. Como resultado, os danos de saúde e econômicos sofridos pelo Brasil provavelmente serão mais graves e profundos do que teria sido o caso. Outros países que enfrentam condições sociais ainda mais duras, como a África do Sul, tiveram respostas muito mais disciplinadas e efetivas.
Se a vida fosse um conto moral, as palhaçadas de Bolsonaro quanto ao coronavírus levariam o Brasil a se voltar contra seu presidente populista. Mas a realidade talvez não seja tão simples.
Não existe dúvida de que Bolsonaro está em dificuldade política. Seus índices de popularidade despencaram e agora estão abaixo de 30%; cerca de 50% da população desaprova a maneira pela qual ele conduz a crise. O apoio de que ele um dia desfrutou por parte dos conservadores mais convencionais – que estavam desesperados por arrancar do poder o Partido dos Trabalhadores, de esquerda - está desmoronando. Sergio Moro, ministro da Justiça de Bolsonaro e popular por sua campanha de combate à corrupção, renunciou no mês passado. As acusações de Moro sobre os esforços do presidente para interferir com investigações policiais foram explosivas o suficiente para levar o Supremo Tribunal a abrir uma investigação que pode conduzir ao impeachment de Bolsonaro.
Mas o impeachment no Brasil é tanto um processo político quanto um processo legal. Os delitos que levaram à remoção da presidente Dilma Rousseff em 2016 foram altamente técnicos. O mais significativo é que ela tenha despencado a um índice de aprovação de 10% nas pesquisas de opinião, e que a economia estivesse em recessão profunda. A aprovação a Bolsonaro ainda está bem acima dos números de Dilma em seu pior momento. E embora a economia esteja indubitavelmente caminhando a uma profunda recessão e uma disparada no desemprego, a retórica do presidente contra as medidas de confinamento pode lhe comprar alguma proteção. Oliver Stuenkel, professor da Fundação Getulio Vargas, em São Paulo, diz que “o que Bolsonaro deseja é se dissociar da crise econômica que está por vir”.
As medidas de isolamento social que Bolsonaro lastima talvez na verdade o ajudem politicamente. Podem impedir as manifestações de massa que deram ímpeto a impeachment de Dilma. E tornarão mais difícil que os políticos conspirem e negociem nos proverbiais bastidores – um processo necessário a costurar um impeachment bem sucedido. Conspirar pelo telefone não é a mesma coisa. Alguns políticos podem sentir que mergulhar o Brasil em uma crise política seria inadmissível, em meio a uma pandemia.
Mas não surgirá unidade nacional enquanto Bolsonaro for presidente. Ao modo populista clássico, promover a divisão política o ajuda a prosperar. O Brasil já é um país politicamente polarizado, no qual abundam teorias de conspiração. As mortes e desemprego causados pela Covid-19 são exacerbados pela liderança de Bolsonaro. Mas, perversamente, um desastre de saúde e econômico pode criar um clima ainda mais hospitaleiro para a político do medo e da irracionalidade.






Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado