domingo, 7 de fevereiro de 2021

Efeitos da pandemia na fortuna dos bilionários da saúde no Brasil


Enquanto a pandemia trouxe a morte a mais de 230 mil brasileiros por aqui pela COVID, graças à administração genocida da crise por Bolsonaro e seus asseclas, e trouxe também de volta, como efeito colateral, milhões de brasileiros à miséria e o recorde de desempregos, para uma parte dos brasileiros a pandemia é um maná dos céus. 
 
Bilionários brasileiros de todas as áreas, mas especificamente da área da saúde, aumentaram em muitas vezes suas fortunas e não têm o que reclamar do governo Bolsonaro
Um deles, em menos de um ano aumentou sua fortuna de US$ 2 bilhões em abril de 2020 para US$ 13 bilhões no início de fevereiro agora. São US$ 11 bilhões sobre uma pilha de cadáveres, que só faz aumentar.

A reportagem é da Forbes:
Nos últimos meses, os bilionários da área da saúde estão sob holofotes. Em dezembro de 2020, a Rede D’Or protagonizou o maior IPO de uma companhia nacional desde 2013, impulsionando a fortuna de Jorge Moll Filho, de 76 anos, cardiologista e fundador da empresa, de US$ 2 bilhões em abril de 2020 para US$ 13 bilhões ontem (4). Como resultado da abertura de capital robusta, Moll Filho pulou da 16ª posição do ranking de bilionários da Forbes para a terceira, fechando o top 3 com Jorge Paulo Lemann e Eduardo Saverin.

Para a família Godoy Bueno, controladora do grupo de diagnósticos clínicos Dasa, o cenário também está positivo. Após se destacar no mercado da saúde em 2020 por conta de sua estratégia de expansão e sua atuação médica ativa na crise sanitária causada pela pandemia de Covid-19, as ações da companhia dispararam 62,5% no início deste ano, mais precisamente entre 8 e 15 de janeiro. O salto nos papéis rendeu algumas conquistas aos membros da família. Dulce Pugliese de Godoy Bueno, por exemplo, assumiu o posto de mulher mais rica do Brasil em janeiro de 2021,com uma fortuna agora contabilizada em US$ 6,4 bilhões. A empresária, que fundou a Dasa com o ex-marido Edson de Godoy Bueno, controla atualmente 48% das ações da companhia.

Pedro de Godoy Bueno, CEO e herdeiro da Dasa, é mais uma personalidade que se destaca na área da saúde. Com um patrimônio líquido de US$ 3,2 bilhões, o empresário é o jovem mais rico do Brasil e está entre os dez bilionários mais jovens do mundo.

É fato que a fortuna dos mais ricos do país, de modo geral e na contramão da crise financeira causada pela pandemia, cresceu de 2020 para este ano. Entretanto, a valorização do patrimônio líquido dos bilionários da área da saúde foi astronomicamente superior.

Em números, a média das fortunas dos 53 membros brasileiros da lista dos mais ricos do mundo saltou de US$ 2,28 bilhões para US$ 3,53 bilhões, uma valorização de 54,82% em menos de um ano. Já o recorte do patrimônio líquido dos bilionários da área da saúde mostra que o valor médio saiu de US$ 1,64 bilhão em 2020 para US$ 3,85 em 2021, crescimento de 134,76% –80% a mais que a média geral. [Leia mais na Forbes]


Argentina e Bolívia, como já publiquei aqui, estão taxando as grandes fortunas para fazer frente à pandemia, enquanto Bolsonaro retira o auxílio emergencial, corta verbas da saúde e combate a miséria deixando morrer os miseráveis pelo vírus ou pela fome.

Até quando?




Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma colaboração pelo PIX blogdomello@gmail.com