domingo, 3 de dezembro de 2017

'Máscara de Moro começa a cair. CPMI tem que ouvir Moro e senhora, Janot, Zucolloto e demais citados por Tacla Durán em seu depoimento'

Boneco do juiz Moro caído


"Se é que seriedade e justiça ainda tenham lugar no Brasil, a CPMI tem que ouvir Moro e senhora, Janot, Zucolloto e demais citados por Tacla Durán em seu depoimento".
Assim, o jornalista Antônio Carlos Miguel, de O Globo, encerra seu comentário sobre o depoimento de Tacla Durán à CPMI (Comissão Parlamentar Mista de Inquérito), a que ele deu o título de "Máscara de Moro começa a cair".


Na manhã desta quinta-feira (30/11), os métodos da Lava-Jato foram desnudados no depoimento, via teleconferência, de Rodrigo Tacla Durán à CPMI que prossegue na Câmara. Como se sabe, o advogado, que trabalhou na Odebrecht entre 2011 e 2016, usou de sua dupla cidadania para, amparado em acordos entre os dois países, vazar do Brasil e acompanhar na Espanha o processo ao qual é acusado. Aguarda que o juiz Sérgio Moro envie para a justiça espanhola as provas que, aparentemente, não existem. Lá, delações premiadas não têm valor se não acompanhadas de provas materiais. Delações que, como suspeitamos, muitas vezes são induzidas, filtradas, direcionados para alvos selecionados. Tacla Durán teria fugido para a Espanha por não aceitar assumir em sua delação atos que diz não ter participado. Ele chegou a negociar com o advogado Carlos Zucolloto Junior (padrinho de casamento de Moro e ex-sócio da mulher do juiz numa banca em Curitiba) benefícios num eventual acordo junto aos procuradores da Operação. Mas, teria mudado de ideia quando percebeu os métodos e as engrenagens da tal “indústria da delação”, que incluiriam pagamento por fora para advogados e juízes, adulteração de documentos, provas forjadas e por aí vai.
OK, Tacla Durán também não deve ser flor que se cheire, mas, o silêncio de Moro e asseclas nos últimos dias faz muito barulho, parece comprovar as sujeiras da Lava-Jato. Em agosto passado, quando surgiram as primeiras denúncias do advogado, o juiz de preto tentou desqualificá-lo por se tratar de um foragido da Justiça. Agora, prefere se esconder. Se é que seriedade e justiça ainda tenham lugar no Brasil, a CPMI tem que ouvir Moro e senhora, Janot, Zucolloto e demais citados por Tacla Durán em seu depoimento. [Fonte: G1]

Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado