segunda-feira, 1 de julho de 2019

Casal Moro na escalada para o governo Bolsonaro: 'Não podemos achar isso normal!, diz procuradora

Bolsonaro dá posse a Moro

“E a ‘escadinha’ disso tudo foi terrível: Moro ajudou a derrubar a esquerda, sua esposa fez propaganda para Bolsonaro e ele agora assume um cargo político. Não podemos olhar isso e achar natural”.
A reclamação da procuradora Monique Cheker contra o procedimento do casal Moro, divulgado numa nova leva do Intercept ontem, provocou a celeuma esperada: Monique correu para tentar dizer que não disse o que disse, Moro minimizou (ou seria mimimizou?), mas o fato é grave e mostra a profunda fenda que a ida de Moro para o ministério da Justiça provocou na força-tarefa da Lava Jato. Na minha opinião, está aí a origem dos vazamento, feito por algum procurador que se sentiu feito de idiota pelo atual ministro.

O jornalista Celso Rocha de Barros comenta o assunto em sua coluna de hoje na Folha, que reproduzo a seguir para os que não assinam o jornal, que, por sinal, usa os arquivos da parceria com o Intercept gratuitamente, no entanto coloca o paywall para o público leitor, cobrando elo que recebeu de graça.

A Lava Jato e Bolsonaro


Deltan Dallagnol tentou convencer os procuradores da Lava Jato a fazer busca e apreensão na casa de Jaques Wagner, coordenador da campanha de Fernando Haddad, às vésperas da eleição de 2018, nem que fosse por uma “questão simbólica”. A conversa foi revelada pela parceria Folha/Intercept Brasil
no último sábado.

Se a questão fosse apenas agir contra Wagner antes que ele adquirisse foro especial (havia sido eleito senador), o que uma busca e apreensão sem utilidade processual simbolizaria? Mas se o objetivo era favorecer a eleição de Jair Bolsonaro, o simbolismo era evidente.

E nesses, como em outros pontos, é difícil dar o benefício da dúvida a Moro e a Deltan porque Moro tornou-se ministro da Justiça de Bolsonaro.

De todos os vazamentos até agora, o que mais me doeu a alma, pela sensação de oportunidade perdida, foi a postagem da procuradora da Lava Jato Jerusa Viecili sugerindo aos colegas um posicionamento público que distanciasse a Lava Jato das posições autoritárias de Jair Bolsonaro, bem como de candidaturas que haviam anunciado os nomes de futuros ministros que eram acusados de corrupção.

Nada do que Moro venha a fazer como ministro será melhor para o Brasil do que teria sido uma declaração distanciando o lavajatismo do bolsonarismo.

Disse a procuradora: “Pessoal, desculpem voltar ao assunto (sou voto vencido), mas, somente esta semana, várias pessoas, inclusive alguns colegas e servidores, me questionaram a ausência de manifestação da FT diante de alguns posicionamentos dos candidatos à presidência. [...] Em outros tempos, por motivos outros, mas igualmente relevantes e perigosos, divulgamos nota, convocamos coletiva e ameaçamos renunciar (!) [...] Acho muito grave ficarmos em silêncio quando um dos candidatos manifesta-se contra a nomeação do PGR da lista tríplice, diante de questões ideológicas. Mais grave ainda, assistirmos passivamente, ameaças à liberdade de imprensa quando nós somos os primeiros a afirmar a importância da imprensa para o sucesso da Lava Jato [...]”.

Mesmo se você não gostar do PT, lembre-se de que um pronunciamento como o sugerido por Viecili poderia ter sido feito no primeiro turno.

Algumas semanas depois, com Moro já cotado para o Ministério da Justiça, todos os procuradores da força-tarefa, à exceção de Deltan, estavam horrorizados com a perspectiva de associação da Lava
Jato com o novo governo.

A procuradora Monique Cheker resumiu bem a impressão que a nomeação causaria: “E a ‘escadinha’ disso tudo foi terrível: Moro ajudou a derrubar a esquerda, sua esposa fez propaganda para Bolsonaro e ele agora assume um cargo político. Não podemos olhar isso e achar natural”.

Ainda vai haver muito debate sobre o viés político da Lava Jato, e imagino que os vazamentos do Intercept nos ajudarão a esclarecer essa questão.

Mas é difícil não ter, desde já, uma impressão muito clara: Moro e Deltan foram nadar em águas políticas muito mais profundas e agitadas do que lhes seria seguro.

Nenhum dos dois seria nada sem a democracia, sem a liberdade de imprensa, sem a alternância partidária que quebrou a dependência do Judiciário e da polícia diante dos mesmos chefes de sempre.

Gente assim não deveria brincar de bolsonarismo.


Siga o Blog do Mello no Twitter: @blogdomello  No Instagram: @blogdomello


Com seu apoio o Blog do Mello é e vai continuar a ser de livre acesso a todos, e sem popups de propaganda




Leia também:
Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado