sexta-feira, 10 de abril de 2020

Francês divulga novo estudo positivo sobre cloroquina, agora com 1061 pacientes, mas ainda sem respeitar método científico

IHU

Novos resultados positivos para o uso da hidroxicloroquina contra a COVID-19


O Dr. Didier Raoult entregou nessa quinta, dia 9, ao presidente francês Emmanuel Macron um novo estudo realizado em seu Instituto, o Institut Hospitalo-Universitaire (IHU) Méditerranée Infection, sobre os efeitos da cloroquina no tratameno de pacientes com a COVID-19.

Foi aplicada uma combinação de hidroxicloroquina mais o antibiótico Azitromicina em 1061 pacientes com diagnóstico de COVID-19. O resultado foi positivo em 91,7% dos casos, que apresentaram carga viral zero ao final de dez dias de tratamento.

No entanto, cientistas continuam contestando os resultados do Dr. Raoult por não ser muito diferente do resultado da evolução normal da doença (85% se recuperam naturalmente) e por não obedecer ao método científico.
"Infelizmente, na ausência de um braço comparativo (grupo de controle que recebe um placebo, nota do editor), é extremamente difícil saber se o tratamento é eficaz ou não", disse sexta-feira Arnaud Fontanet, epidemiologista do Instituto Pasteur e membro do conselho. cientista Covid-19, na TV RMC / BFM.

"Esses resultados são nulos e nulos, nada nos diz sobre a eficácia do tratamento", prevalece a epidemiologista Catherine Hill. Ela também mencionou a ausência de um grupo controle e o fato de que, de acordo com os dados públicos disponíveis, pelo menos 85% das pessoas se recuperam espontaneamente, sem nenhum tratamento. O epidemiologista, agora aposentado, aponta para um provável viés na seleção dos participantes, com pacientes com teste positivo que provavelmente nunca teriam desenvolvido sintomas ou muito leve.


Os participantes do estudo têm formas menos graves que a média dos casos confirmados de Covid-19: o julgamento do Prof. Raoult inclui 95% dos pacientes cujo grau de gravidade é "baixo", 2,4% dos casos "médios" e 2,6% dos casos em que o grau de gravidade é considerado "alto".

Cautela justificada, insistiu sexta-feira na Agência de Medicamentos (ANSM), após a publicação de uma pesquisa de farmacovigilância, que conclui que se os efeitos colaterais da hidroxicloroquina no coração são conhecidos ", parece ser aumentada em pacientes covídeos”, que frequentemente apresentam deficiência de potássio, um elemento essencial na contração dos músculos e, em particular, do coração, enquanto o novo coronavírus também parece ter sua própria toxicidade no coração. [Fonte, em francês]




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado