domingo, 19 de julho de 2020

49 anos depois, MPF denuncia torturadores da 'Casa da Morte' da ditadura


Sempre lembrando que o crime de tortura é imprescritível e os ex-agentes acusados agora pelo MPF podem fazer companhia ao torturador Brilhante Ustra, ídolo não só do presidente, que dedicou seu voto em favor do impeachment de Dilma a ele, como do vice, Mourão.

Ustra foi reconhecido e condenado como torturador pela Justiça de São Paulo (leia aqui: Herói de Bolsonaro, Ustra levou crianças de 4 e 5 anos para verem os pais serem torturados, onde há o caminho para a sentença condenatória do torturador), mesmo destino que deve ser dado aos agentes da ditadura.
Os ex-agentes militares Rubens Gomes Carneiro, de codinome “Laecato” ou “Boamorte”; Ubirajara Ribeiro de Souza, conhecido como “Zé Gomes” ou  “Zezão”; e Antonio Waneir Pinheiro Lima, apelidado de “Camarão”, foram denunciados pelo Ministério Público Federal (MPF), na quinta-feira (16), por sequestro e tortura do advogado e militante político Paulo de Tarso Celestino da Silva, preso no final de julho de 1971. O jovem, que tinha 27 anos, foi torturado na “Casa da Morte” em Petrópolis, no interior do estado do Rio de Janeiro, e está desaparecido até os dias de hoje. 
Paulo de Tarso atuou na luta armada contra o regime militar e, na época de sua prisão, havia sido eleito comandante nacional da Aliança Libertadora Nacional (ALN). Segundo o MPF, assim que foi privado de sua liberdade, o militante foi submetido a “intensas agressões físicas e psicológicas" e, logo após sua prisão, ele foi violentamente torturado nas dependências do Destacamento de Operações de Informação - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi) na Tijuca, no Rio de Janeiro e, posteriormente, foi levado para o imóvel conhecido como “Casa da Morte”.
(...) Os procuradores da República Vanessa Seguezzi, Antonio Cabral e Sérgio Suiama, autores da denúncia, destacaram no processo as sucessivas violações cometidas pelos militares envolvidos no sequestro e no desaparecimento do militante.
Além da condenação dos ex-agentes militares, o MPF requer que seja imposta a perda de cargo público, oficiando-se ao órgão de pessoal e/ou pagamento para que efetive o cancelamento de aposentadoria ou qualquer provento de reforma remunerada, assim como requer que seja oficiado aos órgãos militares para que os condenados sejam destituídos das medalhas e condecorações eventualmente obtidas, sendo obrigados, ainda, ao pagamento de dano cível em decorrência dos atos ilícitos praticados.
Leia reportagem completa no Brasil de Fato.





Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado