sábado, 10 de outubro de 2020

Para Haddad, corrupção da família Bolsonaro obriga presidente a negociar com STF e Centrão


 
Em seu artigo de sábado na Folha, o ex-prefeito de São Paulo e candidato do PT na última eleição presidencial, Fernando Haddad, afirma que a propensão golpista de Bolsonaro está sendo contida pela necessidade de proteger a família de uma condenação certa por corrupção, no chamado caso das rachadinhas, que atravessa os mandatos do presidente quando deputado e os de seus filhos.
 
Isso levou Bolsonaro e família a pararem de pregar um golpe de Estado e de fazer ameaças aos ministros do STF. 
 
O artigo de Haddad:

Os filhos deles

A corrupção pode ter salvado momentaneamente a democracia. Refiro-me aos filhos de Bolsonaro. A quantidade de evidências que as autoridades policiais reuniram sobre o esquema das rachadinhas —palavra branda para peculato e lavagem de dinheiro— faz crer que foi o ocupante do Planalto que sentiu o golpe e busca, circunstancialmente, uma conciliação com o Congresso e o STF.

A família Bolsonaro não descobriu o mapa da mina; antes, transformou gabinetes parlamentares na própria mina. O esquema, descrito na peça de acusação, é relativamente singelo: nomeiam-se servidores fantasmas para cargos comissionados; salários são sacados na boca do caixa; e o dinheiro é distribuído para membros da família por meio de depósitos em conta, compra de imóveis subfaturados, financiamento de campanha eleitoral, uma fantástica loja de chocolates etc.

O crime compensaria se duas condições fossem satisfeitas: vários mandatos parlamentares (01, 02, 03) e paciência (28 anos). Os pequenos saques não chamariam a atenção, e de saque em saque...

Lembrei-me do filme "Um Sonho de Liberdade", em que Andy Dufresne (Tim Robbins) passa 19 anos fazendo um túnel com uma pequena machadinha e despejando, sem que ninguém notasse, os grãos de argila da parede da sua cela --tapada com um pôster de mulher seminua-- no pátio do presídio. Dufresne era inocente, e sua fuga significava a redenção.

Os Bolsonaros tinham também o seu sonho de liberdade, e, de grão em grão, a família acumulou um patrimônio fundiário respeitável, mas que, segundo o colunista Reinaldo Azevedo, pode levá-los à cadeia.
O Coaf identificou a estranha movimentação antes das eleições, e, segundo o empresário Paulo Marinho, os Bolsonaros foram alertados do ocorrido pela própria Polícia Federal. A narrativa do establishment não podia ser contestada. No segundo turno da eleição, havia dois extremistas, mas um deles representava a banda podre da política, e o outro, o messias. Queiroz foi demitido, preventivamente, antes do segundo turno, e o país só veio conhecê-lo, e seus famosos depósitos, depois do escrutínio.

Bolsonaro, a princípio, tentou falar grosso. Entretanto, o "acabou, porra!" terminou em abraço, e o que de fato acabou foi a Lava Jato.

A operação para blindar os meninos segue o seu curso. Enquanto isso, a sensação é a de que vivemos em "plena" democracia ao tempo em que a República é corroída miseravelmente, em clima de harmonia entre os Poderes.

Moro, cansado da política, estuda mudar-se para a metrópole. E aqui a carne continua cara por culpa dos filhos do Lula, donos da Friboi.




Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado