segunda-feira, 29 de março de 2021

Exército trata COVID da tropa de modo diferente do que Bolsonaro aplica no Brasil. A taxa de mortalidade é 20 vezes menor


Numa entrevista a Renato Souza, do Correio Braziliense, o general Paulo Sergio [imagem], responsável pelo setor de recursos humanos do Exército, inclusive da área de saúde, deu a receita de como o comando enfrentou a COVID e protegeu o contingente de 700 mil pessoas, entre os que estão na ativa e os da reserva e dependentes. Em tudo, de modo oposto ou diferente do aplicado por Bolsonaro e pelo general Pazuello ao restante do Brasil - os civis, nós.
Assim que o Brasil registrou as primeiras infecções pelo novo coronavírus, em fevereiro do ano passado, o Exército percebeu que o país enfrentaria um dos maiores desafios de saúde do século. Os números de mortes e casos que aumentavam rapidamente na Europa enviaram o alerta para a tropa terrestre mais poderosa da América Latina. Ao Departamento-Geral de Pessoal foi incumbida a missão de aplicar medidas sanitárias, realizar campanhas e proteger o contingente da covid-19.
Autoridade máxima de saúde no Exército, o general Paulo Sérgio conta que a Força entrou em uma espécie de lockdown, em que integrantes de grupos de risco foram enviados para home office e cerimônias militares acabaram suspensas em todos os quartéis. Além disso, estão sendo realizadas campanhas massivas de distanciamento social e outras ações, como uso de máscaras e higienização das mãos. [leia entrevista completa aqui]
Enquanto isso, o restante do Brasil sofria sob Bolsonaro, que continua zombando de medidas restritivas, é contra lockdown, uso de máscaras e defende que todos saiam às ruas com risco de se contagiar para fazer girar a economia. O resultado são mais de 320 mil mortos, 2,5% dos mais de 12 milhões de infectados pelo vírus.
 
No Exército, com as medidas adotadas pelo Comando, as mortes são apenas 0,13% do total dos infectados. 
 
Grossíssimo modo, já que o Brasil é muito mais complexo do que o contingente do Exército, aplicado o índice ao Brasil teríamos menos de 20 mil mortos.
 
Temos aí a dimensão do crime praticado por Bolsonaro. Não é que ele e o Exército não soubessem o que deveriam fazer. Simplesmente não quiseram fazê-lo.
 
Quantos poderiam estar vivos?



Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma colaboração pelo PIX blogdomello@gmail.com