quinta-feira, 25 de agosto de 2022

Ruy Castro dá uma aula de como se faz uma entrevista


Em sua coluna de hoje na Folha, o jornalista, escritor e biógrafo Ruy Castro dá uma aula prática em poucos parágrafos sobre a arte de fazer uma entrevista.

O problema de nossos jornalistas muitas vezes não é que não saibam as técnicas, mas é que não podem usá-las porque as possíveis respostas ou constrangimentos aos entrevistados contrariariam seus interesses ou, mais corriqueiramente, os de quem lhes paga os salários.

De qualquer modo, serve para quem não é jornalista como um mapa para saber quando uma entrevista está sendo bem feita ou não. E também para julgar o entrevistador por sua capacidade ou falta dela e poder desvendar os interesses que há por trás da entrevista.

O que me parece é que a coluna de Ruy Castro é um crítica indireta à entrevista que Bonner e Renata fizeram com Bolsonaro no JN de segunda.

A coluna de Ruy Castro:

Entrevistador não faz cara irônica nem compungida. Entrevistador faz cara neutra, de pôquer. Suas perguntas serão diretas, exigindo respostas diretas. Entrevistador tem de saber escutar, ficar atento à resposta e, ao ver que o entrevistado está enrolando, interrompê-lo com firmeza, dizendo que ele não respondeu à pergunta. Entrevistador só muda de assunto quando se satisfaz com a resposta.

Entrevistador não diz que vai mudar de assunto quando muda de assunto. As perguntas, previamente preparadas, têm de se seguir umas às outras com naturalidade. Quando o entrevistado percebe, foi levado pelo nariz pelo entrevistador. Ao preparar cada pergunta, entrevistador já terá previsto possíveis respostas e formulado as perguntas seguintes de acordo. Políticos têm repertório limitado, donde pode-se prever como ele reagirá a esta ou àquela pergunta.

Entrevistador só faz uma pergunta de cada vez. Uma pergunta que se desdobra em várias ou tenha outras embutidas se torna um cacho de perguntas, o que facilita a vida do entrevistado. Além disso, permitirá a ele só responder a última pergunta ou a que lhe for mais conveniente. As perguntas devem ser curtas, objetivas e terminar com ponto de interrogação. Perguntas longas, repetitivas e muito explicadas geram respostas vagas, subjetivas ou falsas, porque dão tempo ao entrevistado para pensar.

Quanto mais curta e rápida a pergunta, mais sem defesa virá a resposta. E, quanto ao ponto de interrogação, não estou brincando. Alguns entrevistadores, em vez de fazer uma pergunta, elaboram uma formulação e, de repente, param e ficam à espera de que o entrevistado a prossiga. Os entrevistados mais espertos fingem escutar e ficam calados, à espera do dito ponto de interrogação.

Quando o entrevistado mente descaradamente, entrevistador olha no olho da câmera e desmoraliza o entrevistado com a informação verdadeira.


O Blog do Mello é e vai continuar a ser de livre acesso a todos, e sem propaganda, se quem puder e o achar relevante apoiá-lo com uma assinatura. A partir de R$10

Assine o Blog do Mello



Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Recentes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, um dos poucos sem popups de anúncios, que vive apenas do trabalho do blogueiro e da contribuição dos leitores.
Colabore via PIX pela chave: blogdomello@gmail.com
Obrigado.