segunda-feira, 9 de janeiro de 2023

Mundo repudia tentativa de golpe no Brasil. Deputados dos EUA pedem extradição de Bolsonaro

Terroristas saudosos do governo do criminoso fujão e golpista tomaram ontem as Três Casas que representam os Três Poderes: o Palácio do Planalto, o Congresso Nacional e o STF. Fizeram aquilo que o governo que defendem fez anteriormente: destruíram o que puderam.

Vários estão presos. Os números ainda são conflitantes e vão de 200 a 400. Mas foram muitos mais os participantes e as polícias já estão na captura dos demais.

Os já presos foram enviados diretamente para a Papuda, onde devem aguardar a chegada de seu líder. 

O jornal britânico The Guardian publicou matéria mostrando o repúdio do mundo e dos principais líderes mundiais ao golpe terrorista e o pedido de congressistas dos Estados Unidos para que o criminoso fujão seja extraditado para o Brasil para prestar contas à Justiça.

Abaixo, a matéria do Guardian, traduzida pelo Google. O original, para quem lê inglês está aqui.

Joe Biden disse que a situação no Brasil era "ultrajante" depois que apoiadores do ex-presidente Jair Bolsonaro invadiram o congresso, o palácio presidencial e a suprema corte do país no domingo, com alguns legisladores importantes dos EUA pedindo a extradição da figura de extrema direita dos EUA.

As palavras de condenação de Biden foram repetidas por líderes mundiais em todo o mundo, incluindo alguns dos vizinhos mais próximos do Brasil.

O presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva , que derrotou Bolsonaro em uma eleição acirrada no ano passado, anunciou uma intervenção de segurança federal em Brasília com duração até 31 de janeiro, depois que as forças de segurança da capital foram inicialmente dominadas pelos invasores.

“Condeno o atentado à democracia e à transferência pacífica do poder no Brasil. As instituições democráticas do Brasil têm todo o nosso apoio e a vontade do povo brasileiro não deve ser prejudicada”, disse Biden no Twitter.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, twittou que “usar a violência para atacar instituições democráticas é sempre inaceitável” e pediu o fim imediato da invasão das instituições democráticas do Brasil.

O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que os EUA condenam qualquer esforço para minar a democracia no Brasil. “O presidente Biden está acompanhando a situação de perto e nosso apoio às instituições democráticas do Brasil é inabalável. A democracia brasileira não será abalada pela violência”, disse Sullivan.

Bolsonaro saiu do Brasil na véspera da posse de Lula e está na Flórida. Muitos nos EUA – e em todo o mundo – viram ecos da invasão do Capitólio dos EUA em 2021 nas ações dos apoiadores de Bolsonaro e pediram a extradição do ex-presidente.

Joaquin Castro, membro do comitê de relações exteriores da Câmara dos EUA, disse à CNN que Bolsonaro usou “o manual de Trump para inspirar terroristas domésticos a tentar assumir o governo”.

“Neste momento, Bolsonaro está na Flórida … ele deveria ser extraditado para o Brasil … Os Estados Unidos não deveriam ser um refúgio para esse autoritário que inspirou o terrorismo doméstico no Brasil”, disse ele.

A democrata da Câmara dos EUA, Alexandria Ocasio-Cortez, disse: “Quase dois anos depois do dia em que o Capitólio dos EUA foi atacado por fascistas, vemos movimentos fascistas no exterior tentando fazer o mesmo no Brasil”.

Ela pediu que os EUA “cessem de conceder refúgio a Bolsonaro na Flórida”.

O presidente do Chile, Gabriel Boric, chamou o assalto às instituições brasileiras de “ataque covarde e vil à democracia”.

O presidente da Colômbia, Gustavo Petro, disse: “O fascismo decidiu dar um golpe... É urgente que a OEA [Organização dos Estados Americanos] se reúna se quiser continuar vivendo como uma instituição”.

O presidente argentino, Alberto Fernández, tuitou que comprometeu o “apoio incondicional de seu país a @LulaOficial diante dessa tentativa de golpe que está enfrentando”.

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, disse que rejeitou “a violência gerada pelos grupos neofascistas de Bolsonaro que agrediram as instituições democráticas do Brasil. Nosso apoio a @LulaOficial e ao povo brasileiro que com certeza se mobilizará em defesa da paz e de seu presidente.”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, chamou o Brasil de “um grande país democrático” e disse estar confiante de que a “vontade do povo brasileiro e das instituições do país” será respeitada.

O presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, disse que Lula foi “eleito democraticamente por milhões de brasileiros por meio de eleições justas e livres” e condenou “o ataque às instituições democráticas do Brasil”.

O francês Emmanuel Macron disse que Lula pode contar com o “apoio inabalável” de seu país e que “a vontade do povo brasileiro e das instituições democráticas deve ser respeitada”.

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, também ofereceu total apoio a Lula, acrescentando: “Condenamos categoricamente o ataque ao Congresso do Brasil e pedimos o retorno imediato à normalidade democrática”.

Um apelo semelhante veio da primeira-ministra de extrema direita da Itália, Giorgia Meloni, que disse que as cenas do Brasil eram “incompatíveis com qualquer forma de dissidência democrática”.

O ministro das Relações Exteriores de Portugal, João Gomes Cravinho, afirmou que grande parte da responsabilidade era de Bolsonaro e disse que “seria muito importante se ele tivesse uma mensagem de condenação diante da desordem que está acontecendo atualmente em Brasília”.

O governo australiano disse que “condena o ataque ao congresso, à suprema corte e ao palácio presidencial do Brasil”, que um porta-voz do departamento de relações exteriores e comércio disse ser “inaceitável; instituições e processos democráticos devem ser respeitados”.

A Human Rights Watch atribuiu o ataque a uma “campanha de anos do ex-presidente Jair Bolsonaro e seus aliados para minar os princípios democráticos e espalhar alegações infundadas de fraude eleitoral”. A organização divulgou um comunicado chamando o ataque de “um ataque abominável às instituições democráticas do Brasil por pessoas que buscam negar o direito dos brasileiros de votar e eleger os líderes de sua escolha, inclusive pedindo intervenção militar”.


O Blog do Mello é e vai continuar a ser de livre acesso a todos, e sem propaganda, se quem puder e o achar relevante apoiá-lo com uma assinatura. A partir de R$10

Assine o Blog do Mello



Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Recentes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, um dos poucos sem popups de anúncios, que vive apenas do trabalho do blogueiro e da contribuição dos leitores.
Colabore via PIX pela chave: blogdomello@gmail.com
Obrigado.