segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Presidente do STF, ministra Cármen Lúcia numa canetada libera discurso de ódio e preconceito na redação do Enem


Como de vez em quando eu digo por aqui, no Brasil sob golpe, de hora em hora tudo piora. A última veio da presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, que resolveu liberar o discurso de ódio e preconceito na redação do Enem, em nome do direito de liberdade de expressão.

Disse a tatibitate causídica em sua sentença:

"Não se desrespeitam direitos humanos pela decisão que permite ao examinador a correção das provas e a objetivação dos critérios para qualquer nota conferida à prova. O que os desrespeitaria seria a mordaça prévia do opinar e do expressar do estudante candidato. Não se combate a intolerância social com maior intolerância estatal".

Como diria o genial locutor Osmar Santos, "não, garotinha, não foi assim que lhe ensinei"... Que coisa feia! Que raciocínio bisonho!


Clique aqui e passe a receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos

Ministra, Enem significa Exame Nacional do Ensino Médio. Estudantes desse período têm suas habilidades testadas nas diversas matérias, inclusive redação. E redigir não é apenas juntar uma palavra a outra de forma a dar-lhes sentido em orações, parágrafos, textos, poemas. É também juntar ideias a essas palavras. 

E assim como o aluno deve saber respeitar as regras (leis) da ortografia e da gramática, ele deve também respeitar as regras e leis da sociedade em que vive. 

As regras do concurso em relação à Redação servem de baliza para formar o cidadão no respeito à língua e aos demais cidadãos.

São as regras da prova e nela se exige respeito, como lembra seu colega ministro Celso de Mello, em texto reproduzido na imagem aqui, ao chamado Pacto de São José da Costa Rica, assinado pelo Brasil [a íntegra da Lei e sua incorporação à lei brasileira está aqui].


A regra vale para a redação do Enem, mas não vale, por exemplo, no Congresso, onde há deputado que defende tortura, preconceito e até a quebra da institucionalidade, via golpe de Estado (aliás praticado aqui recentemente com a ilustre aquiescência da ministra e seus pares).

Bola fora, ministra, mas que confirma mais uma vez como o governo corrupto, a mídia corporativa e o judiciário trabalham em sintonia com o atraso, a ignorância e o desrespeito ao Brasil e aos brasileiros.

Tristes tempos.

Mantenha o Blog livre de anúncios. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil. Todos os cartões são aceitos e você pode cancelar a assinatura a qualquer momento. Apenas R$10. Assine

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado