sábado, 11 de julho de 2020

Domingo com Poesia, no sábado. Entrelinhas


Antecipo a publicação de ao menos um poema aos domingos para este sábado por um motivo autoexplicativo: é aniversário da minha filha, Penélope, e o poema escrevi para ela há cinco anos.
Eu queria escrever um poema, minha filha, desses 14 anos,
desde o dia em que você respirou por conta própria o primeiro ar (condicionado) de sua vida,

Um poema escrito com todas as palavras
De todas as línguas
E também todas as letras
De todos os alfabetos
Hieróglifos, desenhos rupestres,
E a sabedoria sem escrita dos analfabetos

Eu queria escrever um poema que fosse como o som do Universo
Que não ouvimos, mas nos atravessa e abraça
E nos une a todos os seres, estrelas, planetas, cometas, constelações, galáxias

Seria um poema sem palavras, sem versos
Só meu amor por você
Pulsando nas entrelinhas das estrelinhas do Universo




Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Um comentário:

  1. Parabéns, Penélope! Parabéns, papai-poeta pulsando nas entrelinhas de um poema universal!

    ResponderExcluir

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado