segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Punir Assange é um meio para alcançar um fim: punir toda a mídia crítica aos governos



Seguindo nossa série de publicações sobre o julgamento para a extradição de Julian Assange, um texto do jornalista e escritor canadense Cory Doctorow.
As audiências de extradição de Julian Assange são francamente aterrorizantes, e se você se preocupa com a liberdade de imprensa, deve se preocupar, independentemente de gostar de Assange ou do WikiLeaks. Como diz o velho ditado, "Casos difíceis geram leis ruins."

A acusação do Departamento de Justiça de Trump vai a algum lugar que nenhum outro presidente ousou ir: acusar criminalmente um editor por seu papel na publicação de documentos classificados, algo que os meios de comunicação fazem regularmente.

Assange foi acusado de acordo com a Lei de Espionagem - mais uma vez, a primeira vez para um editor - porque ele fez algo rotineiro: aconselhou uma fonte sobre como se proteger de retaliação. Isso é algo que eu fiz.

Se você é um jornalista investigativo que trabalha com denunciantes, você também já fez isso. Por exemplo, uma fonte me contatou sobre corrupção dentro de uma empresa de tecnologia na qual trabalhava.

Expliquei a eles como mudar para o Signal, ativar mensagens que desaparecem, obter um gravador e como encontrar um advogado trabalhista para ajudá-los a entender seus direitos (imagino que o conselho do advogado os assustou, porque logo após fazerem contato, eles desapareceram )

Este é realmente o mínimo dever de cuidado que nós jornalistas devemos às nossas fontes e está no cerne do caso do Departamento de Justiça de Trump contra Assange - que não enfrenta acusações por nada relacionado com a eleição de 2016 ou "Russiagate".

Esta é, mais uma vez, uma inovação única de Trump: argumentar que o editor, e não a fonte, deve ser acusado criminalmente por seu papel em revelar segredos de estado.

As fontes há muito enfrentam retaliação (é por isso que os jornalistas procuram protegê-las), mas os editores estavam fora desse alcance.

Mesmo o governo Obama, que usou a Lei de Espionagem contra mais vazamentos do que todos os presidentes da história somados, não foi atrás dos editores.

Isso é uma coisa de Trump, e ele está usando Wikileaks e Assange para abrir o precedente. Trump - e seus aliados políticos mais astutos e táticos - sabem que seus adversários não gostam de Assange e não vão defendê-lo, então Assange é um meio para seu fim.

Esse fim: permitir que futuras administrações cobrem criminalmente as editoras que publiquem vazamentos de que não gostem. Fechar meios de comunicação e colocar seu pessoal-chave na prisão por longas sentenças.

A indiferença pública ao tratamento absolutamente medonho de Assange encorajou aqueles no Reino Unido e nos EUA que querem usar esta oportunidade para tomar o máximo de poder para punir a imprensa. [original em inglês, aqui]




Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado