quarta-feira, 22 de setembro de 2021

Documentário de Joaquim de Carvalho irritou Folha e Globo porque ele fez o que eles não fizeram: jornalismo

O documentário "Bolsonaro e Adélio: uma fakeada no coração do Brasil", produzido pelo jornalista Joaquim de Carvalho, do site Brasil 247, no momento em que escrevo esta postagem já teve mais de 1,24 milhão de visualizações no Youtube. 
 
Trata da famosa facada que teria sido dada por Adélio no à época candidato Bolsonaro, na cidade de Juiz de Fora, Minas Gerais, em 2018.
 
Sucesso de público, o documentário caiu em desgraça na mídia corporativa. Especialmente a Folha, mas também O Globo, caíram de pau em cima acusando-o de ser ele, sim, uma fakeada.
 
Mas, por que tanta agressividade?
 
Que o documentário merece críticas é fato. A começar pelo título, que promete algo que ele não entrega. Não fica provado (nem é esse o objetivo do documentário, daí o erro do título) que a facada foi fake. Mas a crítica da mídia corporativa tenta desqualificar o documentário como um todo brandindo como principal argumento as investigações da Polícia Federal. 
 
A mesma PF, por exemplo, que fez o porteiro do Condomínio Vivendas das Pedras, na Barra da Tijuca (RJ), mudar dois depoimentos que fizera antes à Policia Civil do Rio de Janeiro afirmando que o motorista do carro do assassinato de Marielle teria entrado no condomínio com a anuência de Jair Bolsonaro, que teria autorizado sua entrada por telefone.
 
Curiosamente, no depoimento à PF de Bolsonaro, o porteiro, que trabalhava no condomínio havia muito tempo, disse que errou na notificação que anotou na portaria e que se sentiu confuso nos dois depoimentos à Polícia do Rio.
 
Então, por que a ira da mídia corporativa? Porque Joaquim de Carvalho fez o que eles não fizeram: jornalismo.
 
A facada tem vários pontos soltos que nunca foram devidamente esclarecidos a não ser no relatório oficial da PF. E o documentário levanta esses pontos, que vão ao encontro da curiosidade popular, mas que, no entanto, não despertaram o interesse da mídia corporativa, coincidentemente muito interessada na eleição de Bolsonaro, quando percebeu que ele era o único com chances de tirar o PT do governo.
 
Joaquim de Carvalho reconhece no próprio documentário que não tem resposta a muitas das perguntas que levanta e que elas deveriam ser objeto de uma investigação mais aprofundada, explorando a série de coincidências que acabam alimentando a teoria da fakeada.
 
Apenas por ter levantado o tema e a coragem de investigá-lo, sem o aporte financeiro que têm os grandes grupos de mídia, já é grande mérito para o trabalho de Joaquim de Carvalho.
 
Assista e tira você suas conclusões. Ou, o que é mais provável, suas interrogações.






Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos



Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, um dos poucos sem popups de anúncios, que vive apenas do trabalho do blogueiro e da contribuição dos leitores.
Colabore via PIX pela chave: blogdomello@gmail.com
Obrigado.