domingo, 23 de janeiro de 2022

Enquanto mais de 20 milhões passam fome no Brasil, Procuradores ganham quase meio milhão de reais em um mês


Esta imagem mostra o quanto alguns procuradores da República faturaram apenas no mês de dezembro passado. Entre eles, o procurador de deus, Deltan Dallagnol, marcado em laranja. O criador do PowerPoint do Lula, recebeu R$ 398.702,44 brutos. E nem foi o que mais meteu a mão na indecente bolada. Acima dele, todos receberam mais de R$ 400mil em dezembro.
 
Não há o que justifique uma grana dessas para uma função importante, sem dúvida, mas com um valor totalmente despropositado para um país com mais de 20 milhões de pessoas passando fome e com um salário mínimo de pouco mais de mil reais. 
 
O que significa que o ganho de um Dallagnol em um único mês é maior do que uma vida de 30 anos de salários de um trabalhador que receba salário mínimo.
 
Tudo contra a Constituição, que prega que ninguém pode receber mais do que um ministro do STF, pouco menos de R$ 40 mil.
 
Um levantamento feito pelo Centro de Liderança Pública (CLP), organização de pesquisa e fortalecimento da gestão pública, mostra que além destes procuradores, um total de 25 mil profissionais dentro de um universo de 11 milhões de trabalhadores ligados aos governos federal, estaduais e municipais, recebem ilegalmente acima do teto constitucional. [Fonte]
 
São  R$ 2,6 bilhões desviados dos cofres públicos todos os anos – considerados apenas os valores acima dos R$ 39,2 mil do teto.
 
É fazer valer a lei. Inclusive mandando devolver o que receberam a mais.




Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos



Recentes:


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, um dos poucos sem popups de anúncios, que vive apenas do trabalho do blogueiro e da contribuição dos leitores.
Colabore via PIX pela chave: blogdomello@gmail.com
Obrigado.