quarta-feira, 23 de fevereiro de 2022

As razões da Rússia, por Putin


Da página do Cesar Benjamin, no Facebook, peguei o trecho final resumido do discurso de mais de uma hora do presidente russo Vladimir Putin, explicando as razões da Rússia para tomar as atitudes que tomou. Você não lê isso na mídia corporativa.
[...] Já houve declarações de que a Ucrânia vai criar suas próprias armas nucleares, e isso não é uma bravata vazia. A Ucrânia ainda possui tecnologias nucleares soviéticas e meios de disparo de tais armas, incluindo aviação, bem como mísseis táticos operacionais Tochka-U, também de design soviético. É apenas uma questão de tempo. Será muito mais fácil para a Ucrânia adquirir armas nucleares táticas do que para outros estados. [...] Não podemos deixar de reagir a este perigo real. Os patronos ocidentais podem contribuir para o aparecimento de tais armas na Ucrânia para criar outra ameaça ao nosso país. [...]
Em 1990, quando a questão da unificação alemã estava sendo discutida, a liderança soviética recebeu a promessa dos EUA de que não haveria extensão da jurisdição da OTAN ou presença militar uma polegada a leste. E que a unificação da Alemanha não levaria à expansão da organização militar da OTAN para o Leste. [...]
A Rússia cumpriu todas as suas obrigações, incluindo a retirada de tropas da Alemanha, dos estados da Europa Central e Oriental, e assim deu uma grande contribuição para superar o legado da Guerra Fria. Propusemos consistentemente várias opções de cooperação, inclusive no formato do Conselho Rússia-OTAN e da OSCE, sem contrapartidas. [...]
Há apenas uma resposta: não se trata de nosso regime político, não se trata de outra coisa, eles simplesmente não querem um país independente tão grande como a Rússia. Esta é a resposta para todas as perguntas. Esta é a fonte da tradicional política americana em relação à Rússia. Daí a atitude perante todas as nossas propostas no domínio da segurança.
Hoje, uma olhada no mapa é suficiente para ver como os países ocidentais “cumpriram” sua promessa de impedir que a OTAN se movesse para o leste. Eles apenas trapacearam.
Recebemos cinco ondas de expansão da OTAN uma após a outra. Em 1999, a Polónia, a República Checa, a Hungria foram admitidas na Aliança, em 2004 - Bulgária, Estónia, Letónia, Lituânia, Roménia, Eslováquia e Eslovénia, em 2009 - Albânia e Croácia, em 2017 - Montenegro, em 2020 – Macedônia do Norte.
Como resultado, a Aliança, sua infraestrutura militar chegou diretamente às fronteiras da Rússia. Esta se tornou uma das principais causas da crise de segurança europeia, teve o impacto mais negativo em todo o sistema de relações internacionais e levou à perda da confiança mútua.
A situação continua a se deteriorar, inclusive na esfera estratégica. Assim, na Romênia e na Polônia, como parte do projeto norte-americano de criação de um sistema global de defesa antimísseis, estão sendo implantadas áreas de posicionamento para antimísseis. É sabido que os lançadores localizados aqui podem ser usados para mísseis de cruzeiro Tomahawk - sistemas ofensivos de ataque.
Além disso, os Estados Unidos estão desenvolvendo o míssil universal Standard-6, que, além de resolver os problemas de defesa aérea e defesa antimísseis, pode atingir alvos terrestres e de superfície. Ou seja, o sistema de defesa antimísseis dos EUA supostamente defensivo está se expandindo e novas capacidades ofensivas estão surgindo.
As informações que temos dão todas as razões para acreditar que a entrada da Ucrânia na OTAN e a subsequente implantação das instalações da OTAN ali é uma questão de tempo. Em tal cenário, o nível de ameaças militares à Rússia aumentará drasticamente, muitas vezes. E chamo especial atenção para o fato de que o perigo de um ataque repentino ao nosso país aumentará muitas vezes.
Deixe-me explicar que os documentos de planejamento estratégico americanos (documentos!) contêm a possibilidade de um chamado ataque preventivo contra sistemas de mísseis inimigos. E quem é o principal inimigo dos EUA e da OTAN, também sabemos. É a Rússia.
Nos documentos da OTAN, nosso país é declarado oficial e diretamente a principal ameaça à segurança euro-atlântica. E a Ucrânia servirá de trampolim para tal ataque. [...]
Muitos aeroportos ucranianos estão localizados perto de nossas fronteiras. Aeronaves táticas da OTAN estacionadas aqui, incluindo portadores de armas de alta precisão, poderão atingir nosso território até a profundidade da linha Volgograd-Kazan-Samara-Astrakhan. A implantação de meios de reconhecimento de radar no território da Ucrânia permitirá à OTAN controlar rigidamente o espaço aéreo da Rússia até os Urais.
Finalmente, depois que os Estados Unidos romperam o Tratado de Forças Nucleares de Alcance Intermediário, o Pentágono já está desenvolvendo abertamente toda uma gama de armas de ataque terrestres, incluindo mísseis balísticos capazes de atingir alvos a uma distância de até 5.500 quilômetros.
Se esses sistemas forem implantados na Ucrânia, eles poderão atingir objetos em todo o território europeu da Rússia, bem como além dos Urais. O tempo de voo para Moscou para mísseis de cruzeiro Tomahawk será inferior a 35 minutos, mísseis balísticos da região de Kharkov - 7-8 minutos e armas de ataque hipersônicas - 4-5 minutos. Isso é chamado, diretamente, "faca na garganta".
E eles, sem dúvida, esperam implementar esses planos da mesma maneira que fizeram repetidamente nos últimos anos, expandindo a OTAN para o leste, movendo infraestrutura e equipamentos militares para as fronteiras russas, ignorando completamente nossas preocupações, protestos e advertências. [...]
Respondemos a isso de forma adequada, ressaltando que estamos prontos para seguir o caminho das negociações, mas com a condição de que todas as questões sejam consideradas como um todo, como um pacote, sem estar separado das principais propostas básicas russas.
E eles contêm três pontos-chave. A primeira é impedir uma maior expansão da OTAN. A segunda é a recusa da Aliança em implantar sistemas de armas de ataque nas fronteiras russas. E, por fim, o retorno do potencial militar e da infraestrutura do bloco na Europa ao estado de 1997, quando foi assinado o Ato Fundador Rússia-OTAN.
São precisamente estas nossas propostas fundamentais que foram ignoradas. [...]
Além disso, eles estão novamente tentando nos chantagear, estão novamente ameaçando com sanções, que, aliás, eles ainda vão introduzir à medida que a soberania da Rússia se fortalece e o poder de nossas Forças Armadas cresce.
E um pretexto para outro ataque de sanções sempre será encontrado ou simplesmente fabricado, independentemente da situação na Ucrânia. Há apenas um objetivo - restringir o desenvolvimento da Rússia. E vão fazê-lo, como fizeram antes, mesmo sem qualquer pretexto formal, apenas porque sim.
Gostaria de dizer claramente, com franqueza, na situação atual, quando nossas propostas para um diálogo igualitário sobre questões fundamentais na verdade ficaram sem resposta pelos Estados Unidos e pela OTAN, quando o nível de ameaças ao nosso país está aumentando significativamente, a Rússia tem todo o direito tomar medidas de retaliação para garantir a sua própria segurança. É exatamente isso o que faremos.
Quanto à situação no Donbass, vemos que a elite dominante em Kiev declara constantemente e publicamente sua relutância em implementar o Pacote de Medidas de Minsk para resolver o conflito e não está interessada em uma solução pacífica. Pelo contrário, está tentando organizar novamente uma blitzkrieg no Donbass, como já aconteceu em 2014 e 2015. Como essas aventuras terminaram então, lembramos.
Agora praticamente não passa um único dia sem bombardeios em assentamentos em Donbass. O grande grupo militar formado usa constantemente drones de ataque, equipamentos pesados, foguetes, artilharia e vários lançadores de foguetes. A matança de civis, o bloqueio, a zombaria das pessoas, incluindo crianças, mulheres, idosos, não param. Como dizemos, não há fim à vista para isso.
E o chamado mundo civilizado, do qual nossos colegas ocidentais autoproclamados se declararam os únicos representantes, prefere não perceber isso, como se todo esse horror, o genocídio, ao qual estão submetidas quase 4 milhões de pessoas, não existe, e só porque essas pessoas não concordaram com o golpe de Estado apoiado pelo Ocidente na Ucrânia em 2014, se opuseram à elevação ao posto de movimento estatal em direção à caverna e ao nacionalismo agressivo e ao neonazismo.
E eles estão lutando por seus direitos elementares - viver em sua própria terra, falar sua própria língua, preservar sua cultura e tradições.
Até quando essa tragédia pode continuar? Quanto tempo mais você pode suportar isso? A Rússia fez de tudo para preservar a integridade territorial da Ucrânia, todos esses anos lutou persistente e pacientemente pela implementação da Resolução 2202 do Conselho de Segurança da ONU de 17 de fevereiro de 2015, que consolidou o Pacote de Medidas Minsk de 12 de fevereiro de 2015 para resolver a situação em Donbass.
Tudo é em vão. [...]
Considero necessário tomar uma decisão há muito esperada de reconhecer imediatamente a independência e a soberania da República Popular de Donetsk e da República Popular de Luhansk.
Peço à Assembleia Federal da Federação Russa que apoie esta decisão e depois ratifique o Tratado de Amizade e Assistência Mútua com ambas as repúblicas. Esses dois documentos serão preparados e assinados em um futuro muito próximo.
E daqueles que tomaram e detêm o poder em Kiev, exigimos a cessação imediata das hostilidades. Caso contrário, toda a responsabilidade pela possível continuação do derramamento de sangue será inteiramente da consciência do regime que governa o território da Ucrânia.
Anunciando as decisões tomadas hoje, estou confiante no apoio dos cidadãos da Rússia, todas as forças patrióticas do país.
Obrigado pela sua atenção.


Assine o Blog do Mello





Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos



Recentes:


Um comentário:

  1. Grande Putin!!! O mundo seria muito mais feliz se os tais Estados Unidos não existissem. Em última instância são o grande mal do mundo

    ResponderExcluir

Gostou? Comente. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, um dos poucos sem popups de anúncios, que vive apenas do trabalho do blogueiro e da contribuição dos leitores.
Colabore via PIX pela chave: blogdomello@gmail.com
Obrigado.