quarta-feira, 6 de novembro de 2019

Na Folha, Duvivier ironiza dupla moral da Folha

Gregorio Duvivier na Folha


Colunista da Folha, humorista ironiza a dupla moral do jornal em relação a Bolsonaro


Em artigo publicado na Folha hoje, o humorista da Porta dos Fundos Gregorio Duvivier usa de ironia para criticar a Folha, que é atacada pelo presidente (eleito mediante fraude) Bolsonaro, mas consegue apoiar a política econômica pretendida por seu governo.

A verdade é que a Folha apoiou a ditadura civil-militar de 1964, que Otavinho chegou a chamar de ditabranda, porque não teria matado nem torturado tanto quanto as argentina e chilena. E agora apoia o plano econômico que Guedes ajudou a implantar no Chile durante a ditadura Pinochet, e está levando o povo às ruas no Chile. Mesmas medidas que Guedes quer implantar no Brasil.
Na direção certa, por Gregorio Duvivier

Amo este jornal que você tem em mãos. E amo o ritual de abri-lo todo dia de manhã, pra espanto da minha filha, que não entende a graça dessas letrinhas tão pequenas sob fotos tão grandes de gente tão séria, e pra desgosto da minha conge, que não entende a graça de gerar essa quantidade de lixo por dia.

“É como se você jogasse um livro fora toda manhã.” Tento argumentar: “A gente também usa pro cocô do cachorro!”. Ao que ela argumenta, com razão, que a gente não tem cachorro.

Gosto tanto deste jornal que tenho feito campanha pra que as pessoas o assinem. Tem ótimos repórteres e cronistas espetaculares e quadrinistas geniais e articulistas de todos os espectros políticos excluindo o terraplanismo —que não precisa ser contemplado por ele já estar no poder.

Ledo engano. O editorial da Folha de ontem mostra que a cúpula do jornal continua acreditando no governo até debaixo d’água. O que é um naufrágio pra quem vive no aquário? A velhinha de Taubaté que escreveu o editorial segue confiante e esperançosa de que o governo está “na direção certa”. Faltou dizer pra onde. Pro quinto dos infernos, talvez.

Os números não parecem concordar com a Folha. Mas o que são números perto da fé? “É preciso tempo”, diz o editorial. Ou quem diz é Paulo Guedes. Já não sei, de tanto que o editorial parece um release. O aquário finge não saber que os cortes que ele elogia incidem sobre educação, ciência e meio ambiente.

Bolsonaro odeia a Folha —e já disse que, no seu governo, “não vai ter Folha de S.Paulo”. A Folha morde Bolsonaro, mas sopra Paulo Guedes, como se os dois não fossem a mesma coisa.

Paulo Guedes não se aliou a Amoêdo, Alckmin, Marina, ou qualquer liberal “republicano” e tem um motivo pra isso: ele sabe que não se cortam direitos sem um projeto autoritário e moralista.

Não à toa, o modelo de Paulo Guedes pra “modernizar o Estado” é o Chile de Pinochet. Ninguém nunca conseguiu tirar direitos sem prender oposição e matar pobre. Quando os direitos somem, logo logo começa a sumir gente.

Na véspera a Folha já tinha classificado de “uma grata surpresa” o tour em que Bolsonaro bajulou o ditador saudita que mandou matar jornalista.

“Temos muito em comum”, disse Bolsonaro sobre o príncipe. Levando em conta os passaralhos, um governo que mata jornalista pode poupar um trabalho pro jornal. Reduziria o inchaço.

Ajude o Mello a tocar o blog. Faça uma assinatura. É seguro, rápido e fácil
Sua assinatura faz a diferença e ajuda a manter o blog
Apenas R$ 10. Todos os cartões são aceitos. Você pode cancelar a assinatura a qualquer momento




Recentes:

Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
(Apenas Assinantes)

Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado