quinta-feira, 24 de setembro de 2020

Psiquiatra de Assange vê alta probabilidade de suicídio no caso de sua extradição para os EUA


O psiquiatra Michael Kopelman, professor emérito de neuropsiquiatria do King's College London, está tratando de Julian Assange no período em que ele se encontra preso em Londres.

O dr. Kopelman depôs como testemunha de defesa e afirmou que é altamente provável que Assange tente suicídio caso seja extraditado para os Estados Unidos.

Assange tem histórico de depressão registrado há 30 anos e casos de suicídio na família - um tio e o avô materno.

Como agravante, Assange é portador da síndrome de Asperger, um tipo de autismo que também parece aumentar a probabilidade de suicídio.
“É a iminência da extradição e / ou uma extradição efetiva que vai desencadear a tentativa, na minha opinião.

"Será resultado diretamente de sua depressão clínica, exacerbada por sua síndrome de ansiedade e seu PTSD e executado com a determinação obstinada de seu transtorno do espectro do autismo de Asperger", disse ele.

Ele também listou outros fatores que agravam o risco de Assange tirar a própria vida, incluindo o alto risco relatado de suicídio entre presidiários em celas isoladas, a intensidade das preocupações suicidas de Assange, evidências de planejamento e preparação, bem como sua própria "consciência aguda de as perspectivas que ele enfrenta ".

Kopelman disse que Assange havia relatado a ele que vinha sofrendo alucinações, incluindo ouvir vozes e música em sua cabeça, bem como ter alucinações somáticas em que uma pessoa experimenta sensações físicas apesar de nenhum contato ter ocorrido.

“As vozes são coisas como 'Você é pó, você está morto, estamos vindo para te pegar.' Eles são depreciativos e persecutórios ", disse Kopelman.

"O Sr. Assange ficará muito envergonhado com isso vir a público", acrescentou. Ele disse que as drogas antipsicóticas ajudaram a suprimir as alucinações. [The Sidney Morning Herald, em inglês]
Pela narrativa do psiquiatra de Assange, os Estados Unidos conseguiram em parte seu intento: em vez de estarem como réus no Tribunal por crimes de guerra, Assange é quem está.

Extraditado ou não (a possibilidade maior, vergonhosamente, é pela extradição), Assange está severamente castigado, física e mentalmente, apontando ao mundo a tortura que pode se abater sobre quem se atreve a desafiar os EUA.

Mas tudo isso será ainda pior com a extradição.

No entanto, mesmo com o silêncio cúmplice, ou quando muito a cobertura discreta da mídia comercial sobre o julgamento, aumenta pelo mundo o número de pessoas que apoiam Assange e defendem não apenas que ele não seja extraditado como sua liberdade.

Divulgar crimes de guerra não é crime. Crime é cometê-los.

#FreeAssange



Para receber notificações do Blog do Mello no seu WhatsApp clique aqui
Você vai ser direcionado ao seu aplicativo e aí é só enviar e adicionar o número a seus contatos




Recentes:


Assine a newsletter do Blog do Mello.
É grátis.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Gostou? Comente. Gostou muito? Comente também. Encontrou algum erro? Aponte.
E considere apoiar o blog, divulgando-o ou com uma assinatura mensal (apenas R$ 10) clicando aqui: https://pag.ae/7UhFfRvpq ou uma doação direto na conta: Banco do Brasil. Antonio Mello agência: 0525-8 conta: 35076-1
Obrigado